Blogroll

21 fevereiro 2013

Insônia


 

À noite
Insone
Ávido
Não me deixas dormir
Me queres
Rendida
Arfante
Arquejante
Em delírio febril;
Nos teus braços
ouço frêmitos carnais ;
Ao cantar sua voz
se pinta de carmim
Fita-me nos olhos
Quando a chama
Tomar-lhe as faces
que coram
de rubra cor;
Me pinte de cores
Amores
Pudores;
E no momento
em que a aurora
aparecer dengosa;
As olheiras
Não me deixarão mentir
da noite passada
que tu não me deixaste dormir

Yane Manuela L.

 

 

                            

 

 

 

Reações:

0 comentários: